empatia

Empatia. O que é? Dicas de como desenvolver a empatia.

O que é Empatia?

A empatia é a habilidade de se colocar no lugar do outro e sentir o que eles sentem e pensam. Esta competência comportamental é fundamental para construir relacionamentos significativos e conviver em harmonia.

Existem pessoas que tem uma habilidade natural de sentir empatia e outros têm um pouco mais dificuldade de se relacionar, mas a boa notícia é que podemos desenvolver esta competência.

Uma das coisas mais importantes é que para desenvolver a empatia, devemos aprender a interpretar os sentimentos dos outros, pois na maior parte das vezes, esta comunicação é não-verbal, ou seja, as pessoas emitem sinais do que desejam. Por isso, é fundamental observar os gestos, a postura, a entonação da voz e até o silêncio.

No entanto, antes de interpretar os outros, devemos olhar para nós mesmos e buscar o autoconhecimento, pois quanto mais consciente estivermos de nossas emoções, entenderemos o outro com mais facilidade.

Minha intenção aqui é propor uma analise da situação sobre outra perspectiva, ter empatia com a outra pessoa e se colocar no lugar dela. Ter uma atitude mais humanizada em seus relacionamentos profissionais e pessoais.

Dicas de como desenvolver a empatia:

Abaixo destaco algumas pequenas atitudes que podem juntas fazer uma grande diferença no desenvolvimento de sua empatia.

  • Busque o seu autoconhecimento e entenda suas emoções;
  • Perceba que não é preciso concordar com alguém para sentir empatia por ele;
  • Não acredite que somente a sua visão da situação é a correta, pois todos terão pontos de vista diferentes;
  • Aprenda a ouvir e observar atentamente;
  • Tente não fazer pré-julgamentos;
  • Mostre a outra pessoa que se importa com ela;
  • Pergunte às pessoas como elas se sentem;
  • Pratique a empatia com alguém de sua confiança.

 

Lembre-se de que os relacionamentos, principalmente os profissionais, não precisam ser baseadas apenas na competitividade, pois quando há empatia em uma equipe, as chances de se alcançar bons resultados, é muito maior do que quando é levado em conta apenas o resultado individual. Incentivar esta habilidade, harmoniza o ambiente de trabalho e promove a construção de laços mais ricos na empresa.

Texto escrito por: Renata Tavolaro

Deseja trabalhar sua empatia? Na OrienteMe, é possível falar com especialistas todos os dias, por meio do smartphone ou computador, de forma anônima, sem ter que marcar horário. Gostaria de ser atendido/a pela Renata? Clique aqui e em seguida no botão “Atenda Comigo”.

burnout, estresse, carreira, como lidar

Burnout. O que é? Sintomas, o que fazer e como lidar.

 O que é Burnout?

O termo Burnout tem origem na língua inglesa, a partir da união de dois termos: burn out, que respectivamente significam queimar e fora. A união dos termos é melhor traduzida por algo como “ser consumido pelo fogo”.

A Síndrome de Burnout, como é denominada, revela uma condição de estresse ligado ao trabalho, provocando falta de energia, sensação de sobrecarga emocional constante e de esgotamento físico e mental.  O profissional fica em constante estado de alerta, como se precisasse estar ligado 24 horas por dia. Normalmente trabalha em excesso, não consegue se desligar no trabalho e de suas responsabilidades, permanecendo incessantemente preocupado em verificar notificações do celular e e-mails.

Quais são os principais sintomas do Burnout?

Os principais sintomas psicológicos, são:

  • Irritabilidade
  • Desinteresse
  • Perda do senso de humor
  • Indiferença
  • Distração
  • Insatisfação
  • Perda de memória
  • Indecisão
  • Diminuição da auto-estima

 

A exaustão pode inclusive levar a pessoa à depressão, começando a afetar outras áreas da vida da pessoa e não apenas a profissional.

Como conversar com o meu gestor sobre Burnout? 

Normalmente as pessoas tem receio de expor estes sintomas, pois podem acreditar que isso demonstrará fragilidade no ambiente profissional. No entanto, é primordial conversar com seu gestor o quanto antes e explicar o que esta sentindo. Não espere chegar ao esgotamento completo antes de informá-lo.

O momento de falar é quando você perceber que realmente está indo além das suas energias e que a situação o esta impedindo de desempenhar suas atividades profissionais com tranqüilidade, comprometendo seus resultados.

Importante explicar quais são os sintomas que você esta sentindo. Fale com objetividade e proponha uma solução imediata. O ideal é pedir um afastamento, procurar por um psicólogo e encarar esta situação como algo a ser tratado. Se você for um bom profissional, a empresa com certeza verá benefícios na sua ausência.

Como deixar o ambiente de trabalho mais leve?

Em primeiro lugar é primordial que você faça o diagnóstico com um psicólogo especializado e comece o tratamento de imediato. Pereba que isso não te desmerece e que neste momento o importante é cuidar de si mesmo. Procure encarar como um sinal de alerta para modificar alguns comportamentos em sua rotina de vida.

Seguem algumas dicas que podem ajudá-lo a enfrentar a síndrome de burnout e tornar o seu dia-a-dia no trabalho mais leve:

  • Cuide de sua qualidade de vida: faça atividade física regularmente, durma bem, tome muita água e se alimente bem;
  • Mantenha uma vida social ativa;
  • Reorganize suas tarefas e estabeleça prioridades;
  • Aprenda a dizer não;
  • Tenha um horário para olhar seus e-mails;
  • Busque o autoconhecimento;
  • Tenha um hobby, algo que te de momentos de prazer;
  • Faça planejamentos futuros;
  • Procure ajuda de um psicólogo.

 

Como tratar a Síndrome de Burnout?

O tratamento da Síndrome de Burnout é feito basicamente com psicoterapia, mas também pode envolver medicamentos (antidepressivos e/ou ansiolíticos). O tratamento normalmente surte efeito entre um e três meses, mas pode perdurar por mais tempo, conforme cada caso.

Mudanças nas condições de trabalho e, principalmente, mudanças nos hábitos e estilos de vida. A atividade física regular e os exercícios de relaxamento devem ser rotineiros, para aliviar o estresse e controlar os sintomas da doença. Após diagnóstico médico, é fortemente recomendado que a pessoa tire férias e desenvolva atividades de lazer com pessoas próximas – amigos, familiares, cônjuges etc.

Texto escrito por: Renata Tavolaro

Na OrienteMe, é possível fazer terapia online todos os dias, por meio do smartphone ou computador, de forma anônima, sem ter que marcar horário. Gostaria de ser atendido/a pela Renata? Clique aqui e em seguida no botão “Atenda Comigo”.

Técnica Pomodoro – Melhorar a Atenção, Concentração e a Memória

Melhorar a Atenção, Concentração e a Memória

Estresse e tensão, assim como outros fatores, nos levam a dificuldades de atenção e memória e percebemos isso principalmente no momento em que precisamos focar nos estudos para uma prova ou exame, ou até mesmo na realização de estudos e projetos em nosso trabalho.

Estes momentos de dificuldade de concentração não significam que você possui algum problema, todos passam por isso, é muito comum. Existem técnicas que nos auxiliam a melhorar nossa atenção, concentração e memória e pode ser aplicado em todas as atividades que executamos e a técnica Pomodoro é uma delas!

Criada no fim da década de 1980, a técnica se baseia na ideia de que fluxos de trabalho divididos em blocos podem melhorar a agilidade do cérebro e estimular o foco. Depois de muita pesquisa, o italiano Francesco Cirillo chegou ao período de 25 minutos como sendo o tempo ideal para esses blocos, também conhecidos como “pomodoros”.

Como você deve aplicar a ténica:

1) Faça uma lista com as tarefas que estão pendentes;

2) Programe um cronômetro para 25 minutos (vale usar o despertador do celular);

3) Escolha uma das tarefas e trabalhe nela sem interrupções, ou seja, não vale entrar no Facebook e nem no WhatsApp, por exemplo. Não mude o seu foco de atenção;

4) Quando o despertador tocar, faça uma pausa de 5 minutos (a sugestão mais indicada é que você se levante e faça algum exercício, como caminhada ou alongamento, mas vale qualquer outra coisa que ajude a relaxar);

5) Retome o trabalho depois da pausa por mais de 25 minutos (“pomodoros”);

6) A cada quatro “pomodoros”, faça uma pausa mais longa: 30 minutos até voltar ao trabalho;

7) Risque a tarefa da sua lista depois que terminá-la ou você pode deixá-la em aberto e continuar em outro momento, inciando então outra atividade utilizando da mesma técnica.

No início não é fácil, você irá se distrair, não conseguirá cumprir o “pomorodo” (25 minutos de concentração na atividade), mas isso é uma questão de prática! Anote os momentos em que você não conseguiu concluir o tempo de 25m por algum motivo. Registrar estes momentos em que você se distratiu é muito bom para que consiga perceber quais as fontes de distração e aprender como lidar com elas para evitá-las.

Se lembrar de algo que precisa fazer ou tiver uma ideia enquanto executa um “pomodoro”, anote em um papel como “atividades não planejadas” e volte a trabalhar até terminar os 25 minutos. Se a interrupção for algo que não pode adiar, cancele o “pomodoro” e comece quando retomar.

O ideal é que você utilize da técnica todos os dias que precisar estudar. Criar uma lista de atividades ajuda a estabelecer o seu foco. Você pode anotar quantos “pomodoros” usou, ao lado de cada tarefa da sua lista. A ideia é que, com o passar do tempo, você descubra quantos “pomodoros” usa para fazer suas atividades, o que ajuda a estimar os prazos para realizá-las. Outro ponto positivo é que seu cérebro irá se adaptar a este tempo de concentração e você perceberá que praticamente não precisará do dispertador para a marcação!

Texto escrito por: Cintia Diniz

Se precisar de mais dicas para melhorar a atenção, concentração e memória, fale com um de nossos psicólogos! Na OrienteMe, é possível fazer terapia online todos os dias, por meio do smartphone ou computador, de forma anônima, sem ter que marcar horário. Gostaria de ser atendido/a pela Cintia? Clique aqui e em seguida no botão “Atenda Comigo”.

psicoterapia

Sinais de que você precisa de Terapia

É muito comum as pessoas se perguntarem se precisam ou não fazer psicoterapia, porque ainda existe um grande estigma com relação ao atendimento psicológico e muitas vezes, porque acreditamos que damos conta sozinhos de nossos problemas. Além deste fator, existe a questão financeira, mas tente encarar a psicoterapia como um investimento em você mesmo.

Posso afirmar que todo mundo passa por momentos de tristeza, estresse e conflitos. Vivemos situações que não conseguimos lidar “em carreira solo” e que insistem em continuar, mesmo após tentarmos nos desenvolver e apesar de todo o apoio das pessoas que convivemos, as dificuldades persistem.

Precisamos de psicoterapia quando estivermos enfrentando alguma situação que não sabemos como lidar e como resolver, quando nos sentimos presos a algo que nos incomoda, principalmente se estiver interferindo em sua vida pessoal e profissional.

Portanto se você esta nesta situação ou se identificar com os pontos abaixo relacionados, considere a busca de apoio psicológico o mais breve possível, pois cuidar de sua saúde emocional é muito importante.

  • Sente-se deprimido, estressado, ansioso ou angustiado;
  • Sente dificuldade em lidar com suas emoções;
  • Passou por um trauma e não consegue parar de pensar nisso;
  • Precisa de remédios para dormir ou agüentar o dia a dia;
  • Conflitos nos relacionamentos;
  • Passando por uma fase de sofrimento;
  • Passando por perdas ou separações;
  • Passando por transtornos alimentares, compulsões, fobias, obsessões ou manias;
  • Se sente perdido e busca o seu autoconhecimento.

 

Resumindo, a psicoterapia visa o seu autoconhecimento e nos ajuda a lidar com as nossas emoções. Um psicólogo nos fará perceber as situações que estamos vivendo de forma mais ampla e nos auxiliará a buscar uma solução, sem julgamento ou critica. Tem o papel de nos incentivar a autonomia ao nos fazer perceber, que somos capazes de enfrentar a situação em que nos encontramos.

Texto escrito por: Renata Tavolaro

Na OrienteMe, é possível fazer terapia online todos os dias, por meio do smartphone ou computador, de forma anônima, sem ter que marcar horário. Gostaria de ser atendido/a pela Renata? Clique aqui e em seguida no botão “Atenda Comigo”.

O que é Burnout e como evitá-lo?

Você sabia que 30% dos trabalhadores no Brasil sofrem com Burnout?

‘Burnout’ é o nome de uma síndrome que atinge cada vez mais trabalhadores. Nos dias de hoje muitos profissionais se encontram em uma realidade de extrema competitividade e com carga horária e rotina cada vez mais intensa, o que demanda dos funcionários uma dedicação extrema para entregar resultados e alcançar as expetativas da empresa. Porém, as pessoas não são máquinas e tem limites, podendo estes limites serem ultrapassados e chegarem a se tornar esgotamento e estresse profissional.

Burnout é uma alteração do comportamento, de caráter depressivo, cuja principal causa é o desajustamento do indivíduo em relação ao seu trabalho.

Quais são sintomas?

Os principais sintomas de uma pessoa que sofre burnout são:

Exaustão Emocional:“A exaustão emocional caracteriza-se por um esgotar progressivo da energia emocional e física, fazendo com que o trabalhador se levante tão ou mais cansado do que antes”, explica Sónia Gonçalves, doutorada em Psicologia do Trabalho e das Organizações pelo ISCTE e professora no Instituto Piaget. “A pessoa já não se sente com forças para enfrentar novas tarefas ou lidar com mais pessoas e tudo o que antes fazia, requer agora um esforço enorme que a deixa exausta”.

Despersonalização ou cinismo:acontece quando, para compensar a perda de energia, o individuo começa se afastar do trabalho que vê como fonte de estresse. A pessoa começa a ficar mais fria, distante e desligada e tem o seu desempenho diminuído.

Realização profissional diminuída:cada tarefa parece se tornar mais difícil, cansativa, demorando mais tempo para ser feita, com mais incoerências e erros. A competência do trabalhador vai piorando e um ciclo vicioso se instala, onde a pessoa se torna cada vez mais pessimista, se afastando dos colegas.

Como vencer o Burnout?

É necessário entender o burnout e reconhecer seu impacto na vida das pessoas dentro da organização. Então antes de mais nada, é necessário reconhecer os sintomas.

Para prevenir ou tratar o brunout é necessário focar no colaborador e na organização. Individualmente é possível fazer testes de autoavaliações e autoconhecimento, além de gerir o estresse. Por em prática comportamentos saudáveis e alinhar expectativas realistas no trabalho também são formas de mitigar o burnout.

Já a nível organizacional é interessante pensar em programas de bem-estar, sistemas de avaliação (dar espaço ao colaborador dizer o que sente e pensa) para tornar o clima mais agradável e otimista.

Se você sente que sofre de burnout ou simplesmente gostaria de conversar com um terapeuta, a OrienteMe pode ser uma boa solução! Na OrienteMe você pode falar todos os dias com seu terapeuta usando mensagens de texto, áudio, imagem e vídeo e ele responderá todos os dias de segunda a sexta-feira. Experimente!

Aconselhamento de Carreira: Transformando a Demissão em Oportunidade

Como diz um velho ditado: para ser demitido, basta estar empregado e atualmente a demissão ainda é um dos grandes fantasmas dos profissionais, principalmente no momento de crise econômica mundial. Por meio da minha experiência e atuação em Recursos Humanos, pude constatar que o processo de demissão nas companhias traz mudanças marcantes na vida do profissional que é desligado, principalmente àqueles que dedicaram a maior parte de sua vida para a companhia.

LEIA MAIS